Você sabe como fazer para levar o seu pet para fora do país?

viagem_1

Mais de 20 mil pessoas deixaram o Brasil no ano de 2017 para tentar uma vida nova no exterior. Começar uma vida do zero é, para muitas pessoas, a saída para fugir da crise do Brasil.

Além de todas as burocracias para sair do país e entrar em outro, deixar para trás amizades, família, trabalho, entre outras coisas; ainda existe a burocracia de levar seu pet para fora e, acredite, isso leva tempo e, muitas vezes, gasta-se bastante.

Iremos explicar aqui alguns passos do que você precisa saber caso pretenda sair do Brasil e queira levar seus animais com você.

O primeiro ponto é que existem duas formas de levar o seu bichinho; uma é levá-lo com você no mesmo voo, esse tende a ser o jeito mais fácil e mais barato. A outra forma é você ir primeiro e depois alguém colocá-lo em um voo para você e ele ir depois, esse jeito tende a dar um pouco mais de trabalho e gasto.

Decidido isso, você deverá saber quais as regras do país que você vai entrar. Cada país tem regras diferentes, por exemplo, os Estados Unidos exigem micro-chip, vacinação atualizada e que o animal esteja livre de vermes e outros parasitas. Normalmente, seu pet tendo tudo isso em dia, ele conseguirá embarcar para o país. Já a maioria dos países da Europa, além de exigirem tudo isso descrito acima, ainda exigem uma sorologia antirrábica, para ter certeza que o animal está livre da doença. Já a Austrália, por exemplo, não permite a entrada de animais do Brasil, por proteção à sua fauna; por isso, caso você queira leva-lo até a Austrália, talvez ele precise ficar de quarentena em outro país primeiro para depois tentar a entrada no país.

Cada país também tem regras com relação à vacinação; por exemplo, a maioria não aceita que você dê a vacina hoje e viaje dali poucos dias, muitos pedem alguns dias de antecedência à viagem.

É necessário também um atestado de um veterinário, que certifique que seu pet está em boas condições para realizar a viagem e que está livre de parasitas e doenças.

viagem_2

Após verificar as regras do país e também as questões de saúde do animal, será necessário verificar com a companhia aérea como será feito esse transporte. Dependendo do tamanho do seu cachorro ou gato ele poderá ir com você, em uma caixa de transporte dentro da cabine do avião; isso varia conforme a companhia aérea, de 5 a 10kg, somando o peso do e o da caixa de transporte, ele pode ir na cabine, acima disso deve ir junto das malas. Já se for um cachorro grande, ele deverá ir junto com as bagagens. Lá costuma ser mais frio e nem todas as companhias aéreas aceitam que o cão tenha uma roupinha ou coberta dentro da caixa. Além disso, há diversas companhias aéreas que não aceitam cães ou gatos braquicefálicos, isto porque o risco do animal passar mal ou mesmo vir a óbito durante a viagem é bastante grande.

Clique aqui para saber como deixar seu Pet mais confortável durante a viagem de avião.

Depois de tudo verificado, o cliente deverá emitir o CZI, isto é, uma espécie de passaporte do animal, essa documentação pode ser feita com empresas especializadas nessa consultoria e emissão ou feita pelo tutor no aeroporto.

Para você ter tranquilidade comece a ver todas as documentações com antecedência. Para países da América Latina ou Estados Unidos, você pode verificar em torno de 2 meses antes de sua viagem essas questões porém outros países, quanto antes começar, melhor!

Na My Pet’s Nanny nós auxiliamos tanto com a emissão do CZI como também no transporte do pet até o aeroporto, atestado veterinário e consultoria geral para o embarque dos animais.

Se você está pensando em sair do país e precisa desse suporte, clique aqui para saber mais.

Andressa Gontijo – Médica Veterinária e fundadora da empresa de Pet Sitter My Pet’s Nanny

Comente

Comente

Your email address will not be published.

Siga nosso Instagram



A Enciclopédia Animal!